Search
Close this search box.
RIO BRANCO

CIDADES

Boate é fechada após mulheres relatarem estupro coletivo no Rio

Publicado em

A boate Portal Club, onde duas mulheres afirmam que foram estupradas, foi interditada pela Secretaria Municipal de Ordem Pública do Rio de Janeiro (Seop), na noite dessa quinta-feira (4/4).

O Corpo de Bombeiros já havia informado que o local estava com a situação irregular, já que não tinha o Certificado de Vistoria Anual (CVA), que garante a segurança contra incêndio e pânico.

“A medida administrativa foi tomada preventivamente para preservar a segurança e a ordem pública. O local permanecerá fechado até o encerramento das investigações pela polícia”, informou a Seop.

Continua depois da publicidade

Na quarta-feira (3/4), a Delegacia da Mulher do Centro do Rio fez uma perícia na boate. Os proprietários entregaram as imagens das câmeras de segurança do local, e os investigadores afirmam que já têm pistas de um dos suspeitos.

Denúncia de estupro

Duas mulheres denunciaram que foram estupradas na boate. A primeira é uma universitária estrangeira de 25 anos. Segundo ela, o estupro coletivo foi no último domingo (31/3), no quarto escuro do estabelecimento, também conhecido como dark-room, que fica praticamente sem luz.

A mulher, que já deixou o país, divulgou uma carta. “Estou de volta em casa e só quero descansar e esquecer. Não sei se haverá justiça ou não. Espero que a minha história ajude outras mulheres que passaram pela mesma coisa a serem encorajadas a falar, que saibam que não estão sozinhas.”

No texto, a universitária também esclarece que foi levada por um rapaz que conheceu na festa para o quarto escuro. Conforme afirma, a estrangeira achava que estava indo para uma outra pista de dança. Nesse espaço, ela conta que acabou violentada por outros homens. E chegou a falar, inclusive, que perdeu a consciência durante o abuso.

Violência sexual em boate

Com a repercussão do caso, outra mulher afirmou ter sido violentada na boate, em novembro do ano passado.

“Eu fui assistir a um grupo de pagode, que eu conhecia. E, neste dia, tinha um open-bar, e eu bebi normalmente. Quando eu fui ao banheiro, não me senti bem, tonta, e não me lembro mais do que aconteceu. Desse não lembrar o que aconteceu, eu acordei no quarto preto, com um homem na minha frente, um homem do meu lado sem calça”, conta a mulher ao RJ1, da TV Globo.

Continua depois da publicidade

“Quando eu fui urinar, saíram algumas coisas pelas minhas partes, um líquido pelas minhas partes. Só que, assim que eu saí, veio uma funcionária e perguntou: ‘Você sabe onde você estava?”. Não, não sei. “Você estava num ‘dark room’. Mas eu nunca entraria no ‘dark room’”, revela.

Punição

Em nota, a boate Portal Club disse que repudia veementemente o crime e que nunca irá apoiar qualquer tipo de intolerância, opressão ou violência contra as mulheres.

A casa de shows ainda afirmou que está comprometida com a investigação e que deseja que os responsáveis sejam “devidamente punidos”.

Propaganda
Advertisement