Search
Close this search box.
RIO BRANCO

CIDADES

Chuvas na África deixam pelo menos 473 mortos e 1,6 milhão de afetados

Publicado em

Pelo menos 473 pessoas morreram, 410.350 foram obrigadas a abandonar as casas e 1,6 milhão foram afetadas pelas chuvas e inundações em vários países da África Oriental desde meados de março, informou hoje a Organização das Nações Unidas (ONU).

De acordo com estudo publicado pelo Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários das Nações Unidas (Ocha), as tempestades provocaram danos nas fontes de água e em outras instalações, o que agrava a propagação de doenças como a cólera e o sarampo.

O Quénia, a Tanzânia, a Somália, a Etiópia, Uganda e o Burundi são os países mais afetados por essa longa estação das chuvas, que se prolonga normalmente de março a maio, e que este ano foi agravada pelo fenômeno El Niño, uma alteração da dinâmica atmosférica provocada pelo aumento da temperatura do Oceano Pacífico.

Continua depois da publicidade

Assim, as chuvas torrenciais, as inundações repentinas e os deslizamentos de terras deixaram pelo menos 291 mortos, 188 feridos e 75 desaparecidos no Quênia, de acordo com os últimos dados do governo.

Além disso, 278.380 pessoas foram obrigadas a fugir de suas casas e mais de 412.760 pessoas foram afetadas pelas chuvas.

“A situação das barragens e dos cursos de água em todo o país é crítica, com algumas a transbordar e os diques a sofrerem erosão”, afirmou o Ocha.

Os números preliminares da Tanzânia indicam que 155 pessoas morreram em consequência das chuvas e 126 mil foram atingidas até o início de maio, segundo as autoridades.

No domingo (19), a Autoridade Meteorológica da Tanzânia avisou que o ciclone Ialy, no Oceano Índico, poderia trazer ventos fortes, tempestades e chuvas torrenciais esta semana.

Na Somália, o Ocha estima que a estação das chuvas tenha afetado 225.760 pessoas, das quais 38.730 tiveram de abandonar as suas casas.

Continua depois da publicidade

“As chuvas torrenciais e as inundações provocaram a perda de meios de subsistência, como gado e terras agrícolas, e a destruição de pequenas empresas”, acrescentou o gabinete da ONU.

Além disso, a Somália foi particularmente atingida pelos danos causados às fontes e instalações de água, saneamento e higiene, o que está a agravar o atual surto de cólera no país do Chifre de África: foram registados 10.640 casos, sendo 120 mortos, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Cerca de 57 mil pessoas fugiram de suas casas na Etiópia, algumas das quais puderam regressar, mas as habitações, as infraestruturas públicas e as terras agrícolas foram “significativamente danificadas, limitando ainda mais o acesso das pessoas aos serviços, especialmente em áreas já afetadas por conflitos, secas prolongadas ou pelo surto de cólera”, diz relatório.

Mais de 560 mil pessoas foram afetadas em todo o país, embora a região que faz fronteira com a Somália seja a mais atingida, com pelo menos 51 mil deslocados.

Algumas das pessoas forçadas a abandonar as casas viveram situações de superlotação, que aumentam o risco de propagação de doenças transmissíveis.

Em Uganda, as chuvas atingiram mais de 52 mil pessoas entre janeiro e abril, com pelo menos 23 mortos e 241 feridos; em maio, pelo menos 49 pessoas morreram, 296 ficaram feridas e 28 estão desaparecidas, além das 3.080 famílias que tiveram de abandonar as habitações.

Por último, no Burundi, mais de 239.780 pessoas foram afetadas pelas chuvas torrenciais e 36.900 abandonaram as suas casas.

Propaganda
Advertisement