Search
Close this search box.
RIO BRANCO

CIDADES

Cientistas confirmam circulação de vírus mayaro em humanos em Roraima

Publicado em

Um estudo realizado no Instituto de Biologia (IB) da Unicamp, em parceria com outras instituições de pesquisa do Brasil e do exterior, confirmou a circulação do vírus mayaro (MAYV) entre humanos em Roraima. A descoberta foi feita pela bióloga Julia Forato, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular do IB, e divulgada recentemente pela revista Emerging Infectious Diseases.

Em seres humanos, a infecção por vírus mayaro causa uma doença febril aguda, facilmente confundida com dengue e febre chikungunya, por produzir, como principais sintomas, dores no corpo, fadiga, artralgia, dor e inchaço nas articulações. No Brasil, a detecção de MAYV foi historicamente registrada em estados da região Norte, como Acre e Pará, além do já citado Amazonas. Em Roraima, já havia sido detectado em animais em áreas de transição entre áreas rurais e urbanas.

Por provocar sintomas semelhantes aos de outras arboviroses bastante comuns no país, chegar ao diagnóstico correto de mayaro por critérios clínico-epidemiológicos é tarefa bastante difícil.

Continua depois da publicidade

O principal diferencial em relação à dengue é a probabilidade maior de causar artralgia e artrite crônica, condição em que as dores e inchaços nas articulações se prolongam e se tornam incapacitantes – como já ocorre com boa parte dos pacientes acometidos pela febre chikungunya. “Cerca de 50% das pessoas que têm artralgia [provocada por chikungunya] vão desenvolver sua versão crônica, podendo ficar até seis anos sofrendo com dores intensas que, dependendo da profissão, a impedem de trabalhar. É um problema social.”

Propaganda
Advertisement