Search
Close this search box.
RIO BRANCO

CIDADES

Filho após 7 dias à deriva com mãe no RS: “Achei que seria nosso fim”

Publicado em

“Se alguém me falasse que um de nós ia sair vivo, eu diria que era mentira”, contou João Emiliano Salamoni, de 35 anos. Ele, que é cadeirante, e a mãe, Elvira Polippo, de 55 anos, foram arrastados pela água do Rio Taquari por cerca de 15km e, ao todo, ficaram sete dias à deriva.

A família morava em Cruzeiro do Sul (RS), porém, no início de maio, a casa sucumbiu à força das águas da enchente do Rio Taquari e desmoronou. Ao perceber o aumento do nível da água, o pai de João e marido de Elvira os colocou no telhado da residência, que acabou quebrando.

O homem, que era brigadista aposentado, tentou chegar até uma pequena embarcação de um dos vizinhos, mas viu a esposa e o filho serem levados pela correnteza.

Continua depois da publicidade

“Meu pai nos viu no meio do rio e se apavorou. Ele tentou voltar nadando, só que ele não conseguiu se agarrar ao telhado junto com nós. O pai tentou ir nadando e não conseguiu porque estava muito violenta a água. Perdemos ele”, lembrou durante entrevista no programa Encontro, da TV Globo, na manhã desta quinta-feira (23/5).

“Sonho bastante com aquele rio e com o meu pai”, compartilhou João Emiliano, com a voz embargada.

Mãe e filho à deriva

Mãe e filho ficaram dois dias em cima do que sobrou do telhado. Recém-operado e sem o movimento das pernas, João temia pela vida de Elvira, que o segurava sobre o pedaço de madeira.

“Me solta porque se não tu vai morrer junto comigo” ele disse para Elvira, mas ela retrucou: “Eu não vou deixar tu morrer”. Eles foram levados pela água até uma pilha de entulhos, em Beira do Rio, cidade vizinha de Taquari (RS). João e Elvira ficaram cinco dias no que hoje sabem ser o que sobrou de uma lavoura.

Elvira conseguiu encontrar uma tampa de geladeira e ele se deitou. “Ela também achou umas cinco laranjas, umas seis nozes e um galão de água”, contou o filho de Elvira. E foi assim que sobreviveram.

A cirurgia recente que João havia feito estava com as feridas abertas e começaram a “cheirar”. “Tô começando a me entregar”, ele relembra as palavras que disse para a mãe.

Continua depois da publicidade

Resgate

João Emiliano e Elvira Polippo foram encontrados por três barqueiros, que, na esperança de encontrar animais sobreviestes, voltaram até a antiga propriedade rural. Eles foram levados ao Hospital São José, em Santa Catarina, onde receberam tratamento médico e psicológico.

João recebeu alta e está na casa de parentes em Lajeado (RS). No pescoço, ele carrega a mensagem, gravada em tinta preta sobre a pele: “Só Deus sabe minha hora”.

Veja o vídeo do momento em que os dois são resgatados:

 

Leptospirose

Elvira, de 55 anos, entretanto, segue internada. Ela está com leptospirose – doença infecciosa transmitida a partir da exposição direta ou indireta à urina de animais, principalmente ratos – adquirida pelo contato com a água das enchentes.

De acordo com João, Elvira se recupera da doença. “Atacou bastante o fígado. Talvez ela precise de um transplante mais para a frente, mas estão medicando e fazendo o possível por ela”.

Divulgação / Hospital São José de Taquari / CPElvira e João RS
Elvira (de casaco preto) e João (sentado) com a funcionária do hospital, Liliane Pereira, e o médico que os atendeu, João Carlos Dilli

O Rio Grande do Sul tem 29 casos de leptospirose confirmados e registra dois óbitos pela doença. A Secretaria de Saúde do estado contabiliza, ainda, que 389 sobreviventes das inundações estão com suspeita da infecção.

Propaganda
Advertisement