Search
Close this search box.
RIO BRANCO

CIDADES

Pessoas buscam água em bica na periferia de Porto Alegre

Publicado em

Em nascente no Morro Santana, periferia de Porto Alegre, no ponto mais alto da cidade, a população pega água para beber, cozinhar e se higienizar. As pessoas se aglomeram no beco Souza Costa, rua de terra em lugar preservado e calmo na zona leste, agora tomada por gente com sede, carros e vasilhames.

Por volta de meio dia de 7 de maio, havia 15 veículos e uma espera de duas horas para conseguir água. No começo da tarde, chegava gente de todas as regiões de Porto Alegre. Além de carros, vinham a pé e a cavalo.

Alex Pantera conseguiu 40 litros de água, em dois recipientes. Ele e sua esposa, Cristina Medeiros, levaram a água para o Morro Bom Jesus, ao lado, onde ela preside o Centro de Educação Ambiental (CEA).

Continua depois da publicidade

Com 28 anos de existência, o CEA é um ponto de solidariedade às vítimas das chuvas na zona leste. “Quem está atendendo a população são as organizações da sociedade civil, assim como foi na pandemia”, diz a ativista.

Segundo ela, é uma sorte e uma ironia as bicas fornecendo água em locais periféricos, no alto dos morros. As nascentes estão abastecendo quem nunca esteve nesses locais e provando que a preservação da natureza tem sentido.

 

Propaganda
Advertisement