Search
Close this search box.
RIO BRANCO

ENTRETENIMENTO

Demitido com doença rara, Arnaldo Duran processa a Record e pede R$ 3 milhões

Publicado em

Arnaldo Duran em foto publicada no Instagram: jornalista está processando a Record - @arnaldoduran no Instagram

Demitido entre o Natal e Réveillon de 2023, o repórter Arnaldo Duran, 67, entrou na Justiça contra a Record. O jornalista diz que foi alvo de capacitismo por parte da emissora de Edir Macedo e pede que seja reintegrado como funcionário.

Caso não seja possível seu retorno à televisão, Duran pede que a emissora que foi sua antiga empregadora seja condenada por danos morais. Ao todo, o jornalista pede cerca de R$ 3 milhões.

No caso, os advogados de Duran defendem que a emissora explorou a sua doença rara em reportagens e programas de entretenimento.

Continua depois da publicidade

Em 2016, Arnaldo Duran foi diagnosticado com ataxia espinocerebelar do tipo 3, uma doença degenerativa do sistema nervoso, também chamada de síndrome de Machado-Joseph ou “doença do tropeção”. Entre os sintomas estão a falta de coordenação de movimentos musculares voluntários e a perda de equilíbrio.

Em entrevistas, na época em que descobriu o problema de saúde, o jornalista afirmou que quase perdeu a fala com a doença, mas que a recuperou com o tratamento e com orações. O depoimento foi dado em participações em atrações produzidas pela Igreja Universal do Reino de Deus.

Duran pede R$ 400 mil apenas de danos morais. O resto do valor é relacionado a questões trabalhistas, como o desligamento, considerado irregular por seus advogados, já que ele estava em meio ao tratamento.

A ação pede que a Record pague ou providencie um treinamento de readaptação do jornalista ao mercado de trabalho, considerando os problemas de locomoção causados pelo seu problema e sua idade avançada. Para a defesa do jornalista, a Record cometeu capacitismo ao desligá-lo.

Um elemento usado pelos advogados para provar esse ponto é que Duran nunca aparecia no ar de muletas desde que foi diagnosticado com a doença. “Ao esconder o uso dos equipamentos ortopédicos do repórter, a ré (Record) pratica o preconceito do capacitismo, que é a presunção de que portadores de deficiência têm mais dificuldade (ou são incapazes) de realizar os mesmos trabalhos que as pessoas sem deficiência”, diz a defesa.

O caso ainda não tem data para ser julgado. A Justiça marcou para o dia 19 de junho uma audiência de conciliação para que um possível acordo seja negociado.

Continua depois da publicidade

Veterano, Arnaldo Duran tem uma vasta carreira na televisão. O repórter teve passagens pela Globo e pela extinta Rede Manchete (1983-1999). Duran também trabalhou no SBT, onde fez parte da equipe do Aqui Agora nos anos 1990.

Propaganda
Advertisement