Search
Close this search box.
RIO BRANCO

ENTRETENIMENTO

NICKI MINAJ É PRESA EM AEROPORTO NA HOLANDA. SAIBA OS DETALHES!

Publicado em

A chegada de Nicki Minaj à Holanda não foi muito cordial. Neste sábado (25/5), a cantora estadunidense foi detida no aeroporto de Amsterdã por autoridades locais, acusada de porte de drogas. No momento da prisão, a cantora abriu uma live no Instagram e citou uma conspiração contra ela.

No vídeo, Nicki conversa com os policiais que a detiveram e pede para falar com seu advogado antes de ser encaminhada à delegacia para acompanhá-los. Em seu Instagram, a artista também postou outra conversa com autoridades e, na legenda, falou em conspiração, que, segundo ela, estão tentando acabar com sua turnê.

“Eles levaram minhas malas antes que eu pudesse vê-las, colocaram no avião e agora disseram que estão na alfândega. Isso é o que acontece quando pessoas são pagas muito dinheiro para tentar sabotar uma turnê depois de todo o resto falhar. Tudo que fizeram é ilegal”, escreveu.

Continua depois da publicidade

Caminho até a delegacia

Na transmissão ao vivo, o policial filmado por Nicki pede que ela encerre a gravação, porém a cantora não atende ao pedido e então é direcionada ao veículo da polícia, a caminho da delegacia.

O diretor criativo da cantora estava portando maconha, mas tinha todos os documentos médicos o autorizando a viajar com a substância. Em outro vídeo, é explicado a Nicki o motivo da revista em suas malas: checar se não há mais drogas com sua equipe.

Depois dos vídeos postados, Nicki não apareceu mais, provavelmente para prestar depoimentos à polícia.

Veja:

 

Nicki e as polêmicas

Não é a primeira vez que Nicki Minaj, natural de Trinidad e Tobago, se envolve em polêmicas. Na mais recente delas, a rapper vem travando uma batalha musical com Meghan Thee Stalion, depois que seu marido foi “cutucado” pela cantora, em uma de suas músicas.

Kenneth Petty, de 44 anos, marido de Nicki, foi condenado por estupro em Nova York e em 2022 foi sentenciado a três anos de liberdade condicional e um ano de detenção domiciliar por não se registrar como agressor sexual na Califórnia.

Propaganda
Advertisement