Search
Close this search box.
RIO BRANCO
Search
Close this search box.

ESPORTES

Dorival Júnior lamenta críticas e diz: ‘Nunca participei de rodinhas’

Publicado em

Dorival Júnior lamentou os comentários que tem recebido desde a eliminação do Brasil para o Uruguai nas quartas de final da Copa América. O treinador da Seleção virou alvo de críticas depois que viralizou uma imagem em que está fora da roda de jogadores antes da decisiva disputa de pênaltis.

Em conversa com o programa F90, da ESPN, o técnico de 62 anos saiu em defesa do elenco e afirmou ter sido pego de surpresa com os comentários sobre o momento.

“Não faria nada diferente. Confio muito nesse grupo, na minha equipe técnica e em toda a diretoria empenhada em fazermos o melhor. Primeiro, lamento que as pessoas façam avaliação de uma foto, gesto, colocação ou atitude. Só peço que exista respeito com os profissionais. Fui pego totalmente de surpresa”, iniciou o treinador.

Continua depois da publicidade

Dorival explicou que, desde os tempos de atleta, não costuma participar das rodinhas, exceto em momentos específicos: “Não participo de rodas, nunca fiz isso. Eu nunca participei de rodinhas porque não quero incomodar os jogadores em momentos como esse. Caso eu sinta que o grupo está muito nervoso ou muito tranquilo, é natural que eu interfira, mas não foi o caso”.

Apesar de não ser adepto da participação nas rodas de jogadores, o técnico reforçou que procurou o goleiro Alisson para uma conversa particular antes da disputa: “Estava procurando o próprio Alisson para ter uma conversa mais detalhada com ele”.

Além da busca pelo goleiro, Dorival também usou o momento para ver o número da camisa de Guilherme Arana, que seria cotado da disputa já que o Uruguai teve Nahitan Nández expulso durante a partida: “Eu não sabia o número do Arana para cortá-lo. Estava procurando para ver o número dele”.

Para reforçar o empenho dos jogadores da Seleção Brasileira, o técnico destacou os treinamentos de faltas. Com o gol de Raphinha contra a Colômbia, a equipe voltou a balançar a rede em cobranças após quase cinco anos.

“Nós vínhamos treinando com frequência. Fizemos faltas com frequência. Todos reclamavam que não tínhamos batedores de falta, agora temos”, completou o técnico.

 

Propaganda
Advertisement