Search
Close this search box.
RIO BRANCO
Search
Close this search box.

ESPORTES

Uma década após 7 a 1, apenas Oscar e Dante não voltaram ao Brasil

Publicado em

A Seleção Brasileira sofreu uma das maiores manchas de sua história no dia 8 de julho de 2014. Até hoje, exatos 10 anos depois, atletas que estiveram em campo na derrota por 7 a 1 para a Alemanha na semifinal da Copa do Mundo, no Mineirão, reconhecem o impacto psicológico e profissional do vexame em suas carreiras.

Alguns, no entanto, fizeram as pazes com a torcida em retornos ao futebol brasileiro. Por outro lado, outros não obtiveram tanto sucesso na volta para casa.

Em meio aos sucessos e decepções, a maioria dos 14 atletas que entraram em campo naquele dia fizeram o caminho de volta para o País, apenas Dante e Oscar seguiram no exterior.

Continua depois da publicidade

Na época jogador do Bayern de Munique (Alemanha), o zagueiro permaneceu no clube por mais uma temporada e, de lá, seguiu para o Wolfsburg (Alemanha), onde permaneceu até 2016. Desde então, Dante veste a camisa do Nice (França).

Oscar, por sua vez, defendia o Chelsea (Inglaterra) em 2014 e permaneceu em Londres até o fim da temporada de 2016. No ano seguinte, deixou a Europa e partiu para o Shanghai Port (China), onde joga até hoje.

No entanto, além da dupla, todos os outros jogadores que entraram em campo no dia do 7 a 1 já voltaram para o futebol brasileiro.

Relembre o retorno dos atletas ao país

Júlio César: Titular da meta brasileira em 2014, o goleiro atuava pelo Toronto (Canadá) na época. Pouco após o Mundial, assinou com o Benfica (Portugal). Em 2018, deixou o futebol europeu e voltou para o Flamengo com um contrato simbólico de três meses para se despedir dos gramados.

David Luiz: O zagueiro na época defendia o Chelsea, mas já estava de malas prontas para o Paris Saint-Germain (França). Após a passagem pelo clube francês, ele ainda voltou ao Chelsea e vestiu a camisa do Arsenal (Inglaterra), antes de retornar ao Brasil.

Continua depois da publicidade

No país, David Luiz defende o Flamengo desde 2021. Por aqui, já conquistou uma Copa do Brasil, uma Libertadores e um Campeonato Carioca.

Marcelo: O lateral seguiu fazendo história pelo Real Madrid (Espanha) até 2022, quando assinou com o Olympiacos (Grécia). Ele seguiu na Europa por mais um ano, até 2023, antes de voltar ao Brasil para defender o Fluminense. No Tricolor das Laranjeiras até hoje, o camisa 12 conquistou uma Libertadores, um Campeonato Carioca e uma Recopa Sul-Americana.

Maicon: O lateral defendia a Roma (Itália) e ficou na equipe até 2016. No ano seguinte, em 2017, voltou para o Brasil e vestiu as camisas de Avaí, Criciúma e Vila Nova, antes de se aposentar.

Luiz Gustavo: O volante seguiu no Wolfsburg até 2017. Após deixar a Alemanha, passou pelo Olympique de Marseille (França), Fenerbahçe (Turquia) e Al-Nassr (Arábia Saudita), antes de assinar com o São Paulo no início de 2024. No Brasil, apesar do pouco tempo, já ganhou a Supercopa.

Fernandinho: Apesar de bastante criticado na eliminação para a Alemanha, Fernandinho seguiu no Manchester City (Inglaterra) até 2022 e deu a volta por cima pelo clube. Ao deixar a Europa, voltou para o Athletico-PR. Pelo Furacão, ele segue com grandes atuações e já conquistou dois títulos do Campeonato Paranaense.

Hulk: O atacante talvez seja o responsável por uma das maiores voltas por cima daquele elenco. Antes de voltar ao Brasil, porém, ele seguiu no Zenit (Rússia) até 2016 e também teve uma passagem pelo Shanghai (China). Em 2021, se juntou ao Atlético-MG, onde permanece até hoje.

Pelo Galo, Hulk levantou quatro troféus do Campeonato Mineiro, um Brasileirão, uma Copa do Brasil e uma Supercopa. Atualmente, é considerado um dos grandes ídolos da história da equipe.

Bernard: O atacante que ficou conhecido pela Alegria nas Pernas voltou ao Brasil no último mês para defender o Atlético-MG, clube que o revelou, e ainda não teve tempo de mostrar serviço no retorno ao Galo. Antes, porém, ele passou pelo Everton (Inglaterra), Al-Sharjah (Emirados Árabes Unidos) e Panathinaikos (Grécia), além, é claro, de ter seguido no Shakhtar Donetsk (Ucrânia) por mais quatro anos após a Copa do Mundo.

Fred: Bastante criticado no Mundial, o centroavante foi o único que já atuava no Brasil a entrar em campo na semifinal. Ele na época vestia a camisa do Fluminense. No entanto, em 2016, deixou o Rio de Janeiro e passou por Atlético-MG e Cruzeiro, antes de voltar para as Laranjeiras.

Paulinho: O volante defendia o Tottenham (Inglaterra) em 2014. Ele ficou no clube até 2015, quando começou a rodar o mundo. Antes de voltar ao Corinthians, em 2022, passou por Guangzhou Evergrande (China), Barcelona (Espanha) e Al-Ahli (Arábia Saudita). Paulinho deixou o Corinthians neste ano após lidar com lesões e, por enquanto, não assinou com outro clube.

Ramires: Atualmente aposentado, o volante voltou ao Brasil após permanecer por mais um ano no Chelsea, onde jogava na época, e passar pelo Jiangsu Suning (China). No país, Ramires defendeu o Palmeiras de 2019 a 2020 e, apesar de conquistar um Brasileirão, uma Copa do Brasil e uma Libertadores, sofreu com críticas da torcida palestrina.

Willian: O atacante talvez tenha sido o atleta com o pior retorno ao Brasil. Ele voltou ao Corinthians em 2021 após temporadas por Chelsea e Arsenal, e sofreu com muitas críticas da torcida antes de voltar para a Inglaterra. Atualmente, defende o Fulham (Inglaterra).

 

Propaganda
Advertisement