Search
Close this search box.
RIO BRANCO

GERAL

Alta do petróleo pressionará Petrobras a aumentar combustíveis

Publicado em

A possível disparada das cotações do petróleo por causa do iminente conflito entre Irã e Israel deve ter efeitos domésticos no Brasil. O esperado aumento do valor da commodity ampliará a defasagem dos preços dos combustíveis da Petrobras, que já está elevada, e pressionará por um reajuste da gasolina e do óleo diesel.

Com as recentes altas nas cotações do barril, que voltou ao patamar dos US$ 90, os preços dos combustíveis da Petrobras têm aumentado a diferença em comparação com os praticados internacionalmente. A gasolina comercializada pela estatal já apresenta defasagem de 19% (R$ 0,66) ante ao PPI (Preço de Paridade de Importação).

No caso do óleo diesel, a diferença nos preços está em 10%, em R$ 0,41 por litro. Os dados são do mais recente relatório da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), divulgado na 6ª feira (12.abr.2024). Eis a íntegra (PDF – 729 kB).

Continua depois da publicidade

A Petrobras ainda não fez nenhum reajuste nos combustíveis em 2024. O aumento gradativo do petróleo, que já subiu 20% neste ano, pressiona um aumento. Caso se confirme uma disparada do barril por causa dos ataques do Irã a Israel lançados neste sábado (13.abr), um repasse aos preços internos de ao menos parte disso será inevitável.

A visão do mercado é que a petroleira vinha tentando segurar os repasses em 2024, mesmo com a defasagem, diante da função delicada de Jean Paul Prates na presidência. Desgastado no cargo e sendo fritado por integrantes do governo, ele esteve perto de ser demitido na semana passada. Agora, aparentemente, os ânimos serenaram.

Um reajuste, porém, pode colocar Prates numa situação ainda mais delicada. Pensando no lado político, é improvável uma decisão deste tipo agora. No aspecto econômico, olhando o caixa da estatal, é necessário fazer uma recomposição nos valores para evitar perdas.

Embora a Petrobras tenha abandonado o PPI como política de precificação, passando a dar mais peso aos custos internos, a cotação do petróleo e o câmbio ainda têm influência sobre os preços. Isso porque 25% do diesel consumido no Brasil é importado, assim como 15% da gasolina. Essa compra no exterior é feita pelo preço do PPI.

O último reajuste nos combustíveis da Petrobras foi há mais de 3 meses, em dezembro de 2023, quando reduziu o preço do diesel em R$ 0,30 por litro para as distribuidoras e o valor passou para R$ 3,48. No caso da gasolina, a última mudança foi em 21 de outubro, quando houve redução de R$ 0,12 por litro.

No final de 2023, os preços da Petrobras estavam abaixo das cotações internacionais em função das quedas no preço do barril de petróleo. O cenário começou a mudar em meados de dezembro e se intensificou em 2024. O barril do tipo brent começou o ano de 2024 na casa de US$ 75. Agora, está em US$ 90 em função dos riscos geopolíticos.

Continua depois da publicidade

O PPI foi adotado como política de preços da Petrobras na gestão Michel Temer (MDB) e vigorou durante todo o governo Jair Bolsonaro (PL). A metodologia trazia flutuações constantes aos preços internos, repassando as variações do dólar e do petróleo.

Quando foi eleito, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cobrou um “abrasileiramento” da política de preços como forma de reduzir os valores. Prates cumpriu a demanda. Com o novo método, quando o barril de petróleo tem altas expressivas, a Petrobras não repassa os aumentos imediatamente, provocando as defasagens.

Propaganda
Advertisement