Search
Close this search box.
RIO BRANCO

GERAL

Cresce incidência de câncer em pessoas com menos de 50 anos, diz estudo

Publicado em

O aumento alarmante da incidência de câncer em adultos jovens tem sido motivo de preocupação entre os especialistas da saúde, conforme revelado por um estudo recente publicado na renomada revista científica BMJ Oncology. Surpreendentemente, enquanto a incidência global de câncer tem apresentado uma tendência de queda, a taxa de diagnósticos em indivíduos com menos de 50 anos cresceu significativamente, registrando um aumento de 79%.

Essa tendência contraintuitiva tem levantado questionamentos e apontado para novos desafios no combate à doença. Anteriormente considerado um grupo de baixo risco, a população jovem agora se vê cada vez mais afetada pelo câncer, com fatores como a obesidade emergindo como uma das principais causas desse cenário preocupante.

Enquanto a redução do número de fumantes tem contribuído para a diminuição dos casos de câncer em idades mais avançadas, o aumento da obesidade e do sedentarismo tem desempenhado um papel crucial no crescimento da incidência da doença em grupos mais jovens. O equilíbrio delicado entre esses fatores opostos tem gerado um impacto significativo na saúde da população, aumentando os riscos de desenvolvimento de câncer em faixas etárias anteriormente consideradas menos vulneráveis.

Continua depois da publicidade

Além disso, a influência de outros elementos, como o uso precoce e frequente de antibióticos na infância, tem sido apontada como um fator relevante no aumento dos casos de tumores de cólon. A desregulação da flora intestinal devido ao uso excessivo de antibióticos orais tem sido associada a um maior risco de desenvolvimento de câncer intestinal, destacando a importância da conscientização sobre o uso responsável desses medicamentos.

A relação entre o consumo de carne processada e o aumento do risco de câncer tem sido equiparada à gravidade do tabagismo pela Organização Mundial da Saúde. O consumo excessivo de carnes processadas, como salsichas e salames, tem sido identificado como um fator de risco significativo para o desenvolvimento da doença, devido à presença de carcinógenos que podem potencializar o risco quando retidos no trato gastrointestinal por períodos prolongados.

Para mitigar os riscos associados ao câncer, recomenda-se a redução do consumo de carnes processadas e o aumento da ingestão de alimentos ricos em fibras, como legumes e verduras. Essas escolhas alimentares não apenas promovem a saúde intestinal, mas também contribuem para a prevenção do câncer em idades mais precoces, enfatizando a importância de hábitos alimentares saudáveis na proteção da saúde.

Propaganda
Advertisement