Search
Close this search box.
RIO BRANCO
Search
Close this search box.

GERAL

França tem negociações difíceis por coalizão após vitória da esquerda

Publicado em

O presidente da França, Emmanuel Macron, pediu nesta segunda-feira (8) ao primeiro-ministro Gabriel Attal que permaneça no cargo por enquanto, conforme se aguarda o que serão negociações difíceis para formar um novo governo depois de uma surpreendente conquista da esquerda nas eleições que resultaram em um Parlamento suspenso.

A Nova Frente Popular (NFP), de esquerda, emergiu como a força dominante na Assembleia Nacional após as eleições de domingo (7), frustrando a tentativa de Marine Le Pen de levar a extrema-direita ao poder.

No entanto, como nenhum grupo assegurou uma maioria de trabalho, o resultado anunciou um período de volatilidade política pouco antes dos Jogos Olímpicos de Paris e aumentou a incerteza entre os investidores sobre quem governaria a segunda maior economia da zona do euro.

Continua depois da publicidade

“Não vai ser simples, não, não vai ser fácil, e não, não vai ser confortável”, disse a líder do Partido Verde, Marine Tondelier, à Rádio France Inter. “Vai levar um pouco de tempo.”

O leque de possibilidades inclui a formação de um governo minoritário pela NFP ou de uma coalizão pesada de partidos com quase nenhum ponto em comum.

O primeiro-ministro Gabriel Attal, um centrista e aliado próximo de Macron, apresentou sua renúncia, mas o chefe de Estado a rejeitou. “O presidente pediu a Gabriel Attal que permaneça como primeiro-ministro por enquanto, a fim de garantir a estabilidade do país”, informou o gabinete de Macron em um comunicado.

Um Parlamento fragmentado dificultará a aprovação de uma agenda interna e provavelmente enfraquecerá o papel da França na União Europeia.

A esquerda conquistou 182 cadeiras; a aliança de centro de Macron, 168; e o Reunião Nacional (RN), de Le Pen e seus aliados, 143, segundo dados do Ministério do Interior citados pelo jornal Le Monde. Outros veículos jornalísticos fizeram contagens ligeiramente diferentes, e os números finais dependerão em parte da adesão de parlamentares individuais a diferentes grupos.

O ministro do Interior, Gérald Darmanin, foi visto entrando no palácio presidencial do Eliseu logo após Attal, sugerindo que o presidente estava avaliando a opinião de seus aliados sobre o que fazer em seguida.

Continua depois da publicidade

Os líderes dos partidos que compõem a NFP se reuniram durante a noite e devem se encontrar novamente hoje para discutir sobre quem deve substituir Attal e qual estratégia a aliança deve adotar, disse uma fonte do Partido Comunista, um de seus membros menores.

A NFP, reunida às pressas para essa eleição em uma tentativa de unificar o voto da esquerda contra a extrema-direita, não tem um único líder e não disse, antes da eleição, qual seria sua escolha para primeiro-ministro.

Marine Tondelier, uma das várias figuras da NFP vistas como possíveis candidatas ao cargo, disse na Rádio France Inter que poderia ser alguém do partido de extrema-esquerda França Insubmissa, dos Verdes ou dos Socialistas, os três maiores partidos da aliança.

No entanto, não haver consenso sobre questões importantes, como a necessidade de o bloco buscar apoio de outras forças, como os centristas de Macron.

Olivier Faure, o líder socialista, afirmou à Rádio France Info que espera que os partidos cheguem a um acordo sobre um plano nesta semana, mas se esquivou de uma pergunta sobre se a NFP estaria preparada para negociar um acordo com o campo centrista de Macron.

Jean-Luc Mélenchon, o líder da France Insubmissa, uma das figuras mais divisivas da política francesa, descartou explicitamente qualquer acordo com os centristas no domingo e, na segunda-feira, seu aliado Manuel Bompard pareceu intransigente.

“O presidente precisa nomear como primeiro-ministro alguém da Nova Frente Popular para implementar o programa da NFP, todo o programa e nada além do programa”, disse ele à TV France 2.

No entanto, há pouca chance de que qualquer uma das principais propostas do bloco de esquerda, que incluem o aumento do salário mínimo, a reversão da reforma previdenciária de Macron e a limitação dos preços dos principais produtos, seja aprovada em uma votação parlamentar sem algum tipo de acordo com parlamentares de fora do bloco.

Propaganda
Advertisement