Search
Close this search box.
RIO BRANCO

GERAL

Moraes é aprovado em concurso de professor da USP com média 9,8

Publicado em

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes foi aprovado nesta sexta-feira (12/4) para a vaga de professor titular do Departamento de Direito Eleitoral da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), localizada no Largo São Francisco, no centro de São Paulo. Ele concorria como candidato único.

Moraes já dava aulas na instituição, mas como professor associado.

A banca que avaliou a candidatura do ministro era composta por Flávio Yarshell, do departamento de direito processual da faculdade; Celso Lafer, professor aposentado; Marta Arretche, do departamento de ciência política da USP; Ana Paula de Barcellos, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); e Carlos José Vidal Prado, da Universidad Nacional de Educación a Distancia (Uned), na Espanha.

Continua depois da publicidade

As notas que Moraes recebeu nas três etapas do concurso (veja notas abaixo) variaram entre 9,5 e 10. Na etapa Memorial, que avalia o trabalho escrito do candidato, ele recebeu cinco notas 10.

Na quinta-feira (11/4), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) defendeu a tese “O direito eleitoral e novo populismo digital extremista”.

Durante a defesa, Moraes afirmou que as redes precisam respeitar o ordenamento jurídico de cada país e devem ser multadas em caso de abusos. Ele ainda mencionou rapidamente a “disputa” com Elon Musk, dono da rede social X, antigo Twitter, quando foi perguntado sobre pelo professor da Faculdade de Direito Carlos José Vidal Prado sobre a falta de menção à Rússia na tese. Alexandre de Moraes respondeu que não fez a menção porque não desejava que o país “se metesse” no Brasil, assim como fez Musk.

O bilionário Elon Musk, na segunda-feira (8/4), subiu o tom na crise que criou com o Judiciário brasileiro e chamou Alexandre de Moraes de “ditador brutal”. O empresário tem ameaçado descumprir determinações judiciais impostas pela Justiça brasileira.

A tese do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cita que o poder político das redes sociais teria “capacidade de influenciar a vontade do eleitorado”. Segundo ele, as redes seriam instrumentalizadas pelo “novo populismo digital extremista”, o que representaria um dos “mais graves e perigosos instrumentos de corrosão da democracia”.

Veja as notas de Mores no concurso:

Erudição
Flavio Yarshell: 10
Celso Lafer: 9,5
Marta Teresa Arretche: 10
Carlos José Vidal Prado: 10
Ana Paula de Barcellos: 10

Continua depois da publicidade

Defesa de tese
Flavio Yarshell: 9,5
Celso Lafer: 9,5
Marta Teresa Arretche: 9,5
Carlos José Vidal Prado: 10
Ana Paula de Barcellos: 9,5

Memorial
Flavio Yarshell: 10
Celso Lafer: 10
Marta Teresa Arretche: 10
Carlos José Vidal Prado: 10
Ana Paula de Barcellos: 10

Propaganda
Advertisement