Search
Close this search box.
RIO BRANCO

MUNDO

Ativista é presa após atacar quadro de Monet em Paris

Publicado em

Uma ativista climática foi presa por colocar um cartaz adesivo em um quadro de Monet no Museu d’Orsay, em Paris, como forma de chamar a atenção para o aquecimento global, neste sábado (1º/6). O caso é um dos mais recentes da série de protestos que possuem o mesmo objetivo: atenção à crises do clima.

A mulher faz parte de um grupo de ativistas ambientais e defensores da produção sustentável de alimentos, o grupo Riposte Alimentaire (Reposta Alimentar). Ela teria colocado um adesivo da cor vermelho-sangue sobre a arte Campo de papoulas do artista impressionista francês, Claude Monet. A pintura foi concluída em 1873.

A ação foi gravada e postada nas redes sociais, em que a ativista declara que “essa imagem de pesadelo nos aguarda se nenhuma alternativa foi colocada em prática” e “com quatro graus, podemos esperar o inferno”.

Continua depois da publicidade

A ativista fez referência às previsões que dizem que a temperatura da Terra pode aumentar 4 graus Celsius em relação aos níveis pré-industriais até 2050.

Um porta-voz em restauração de quadros analisou a pintura e relatou que “A exposição está totalmente acessível ao público novamente”.

As obras do artista Monet chegou a ser vendida por dezenas de milhões de dólares.

Ataques à arte na França

A Riposte Alimentaire reivindicou a responsabilidade dos protestos referidos aos ataques à arte na França. Eles incluíram um ataque ao retrato da Mona Lisa, no Louvre, em janeiro, quando dois ativistas atacaram o quadro com uma sopa. O quadro estava protegido com um vidro.

Outro incidente semelhante ocorreu com a obra ‘Primavera’ de Monet, quando alguém jogou sopa sobre a pintura. A Riposte Alimentaire é um “movimento de resistência civil francês que visa estimular uma mudança social radical para o meio ambiente e a sociedade”.

Continua depois da publicidade

Confira mais reportagens como essa no DW, parceiro do Metrópoles.

Propaganda
Advertisement