Search
Close this search box.
RIO BRANCO
Search
Close this search box.

MUNDO

Desistências, acusações e falta de consenso marcam 2º turno das eleições francesas

Publicado em

Para evitar que o partido de direita radical obtivesse a maioria absoluta na Assembleia Nacional (ou seja, 289 assentos), centenas de candidatos decidiram retirar a sua candidatura para segundo turno das eleições legislativas francesas que acontece no próximo domingo, 7.

A França é dividida em 577 zonas eleitorais que elegem, em dois turnos, os 577 deputados que ocupam as cadeiras da Assembleia Nacional. Com as eleições antecipadas, 76 deputados foram eleitos já no primeiro turno, sendo 39 deles do Reagrupamento Nacional (RN), da direita radical, e 32 da Nova Frente Popular (NFP), da união da esquerda. São necessários 289 deputados para um partido obter a maioria absoluta e, segundo as projeções iniciais, o RN tinha chances de alcançá-la no segundo turno.

Como o índice de comparecimento às urnas foi extremamente alto, chegando a 66,71%, muitos candidatos alcançaram o mínimo de 12,5% dos votos para chegarem ao segundo turno, gerando situações de triangulares (três candidatos disputando uma vaga) e mesmo quadrangulares na maioria das zonas eleitorais (501 das 577).

Continua depois da publicidade

Logo após os primeiros resultados do primeiro turno, no domingo, 30, Jean-Luc Mélenchon falou em nome da NFP e deu instruções claras: “Em toda zona eleitoral em que os nossos candidatos chegaram em terceiro lugar, tendo o RN como primeiro colocado, vamos desistir e apoiar o candidato que tem mais chances de barrar o RN”.

Isso gerou situações inusitadas, como por exemplo em Tourcoing, no norte da França, em que o candidato da NFP se retirou para apoiar o atual ministro do Interior Gérald Darmanin, um adversário detestado pela esquerda por ter dado mais poder e dinheiro às forças de ordem e é visto como o responsável pelo aumento da repressão policial.

O ainda primeiro-ministro Gabriel Attal falou em nome da coalizão governista Juntos!, mas não foi tão explícito quanto Mélenchon nas suas recomendações. Attal disse: “Nenhum voto (deve ir) para a extrema direita”, embora não tenha deixado claro se os candidatos de seu campo deveriam desistir de suas campanhas caso cheguem em terceiro quando A França Insubmissa faz parte das triangulares.

Os candidatos tinham até as 18h do dia 2 para declarar se continuariam ou não na corrida à Assembleia Nacional. No total, 221 candidatos desistiram de disputar o segundo turno. No campo da esquerda, foram 132 desistências, e 80 no campo governista. O objetivo destas desistências é evitar que o RN obtenha maioria absoluta no domingo. As demais desistências vieram de outros partidos ou mesmo do RN, que teve candidaturas retiradas por descumprimento à lei, como a candidata Ludivine Daoudi, de Caen, que postou uma foto com um boné nazista.

Para o especialista em história política Jean Garrigues, as instruções do campo governista não foram claras e a questão que se coloca é: “Os eleitores vão seguir estas recomendações?”. “A França Insubmissa é mais repulsiva para a maioria dos eleitores que o Reagrupamento Nacional, então é possível que muitos votem em branco ou se abstenham em zonas eleitorais em que o duelo se dê entre estes dois partidos”, explica.

Manifestação na Praça da República reúne personalidades contra a direita radical
Da vencedora do prêmio Nobel de literatura de 2022 Annie Ernaux, passando pelo ex-ministro da Justiça entre 1995 e 1997 sob o governo Chirac Jacques Toubon ao ex-jogador de futebol e campeão do mundo pelo Brasil Raí, a manifestação contra a direita radical reuniu cerca de 40.000 de pessoas na noite de quarta-feira, 3, na Praça da República, local emblemático para manifestações populares, localizado no 10º distrito da capital francesa.

Continua depois da publicidade

O ex-jogador do São Paulo tem nacionalidade francesa e vem fazendo campanha para barrar a direita radical na França. Logo após a dissolução da Assembleia Nacional por Emmanuel Macron, Raí postou uma foto na marcha contra a direita radical, no dia 15 de junho em Paris, em companhia do cantor e compositor Chico Buarque, que carregava uma bandeira do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

O Brasil foi citado várias vezes por diferentes personalidades do mundo político, intelectual e artístico como um exemplo de como a direita radical no poder pode destruir as instituições de um país e ameaçar os direitos das minorias. Um ator francês representando a comunidade LGBTQIA + falou sobre Marielle Franco, assassinada em 2018, e foi bastante aplaudido ao evocar “Marielle vive”. Raí, por sua vez, terminou o seu discurso com “Touche pas à mon pote” (não toque no meu amigo), slogan criado em 1985 na França pela associação SOS Racismo e que virou música de Gilberto Gil.

 

Propaganda
Advertisement