Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍCIA

Caso Marielle: PF prende 2 e PGR denuncia irmãos Brazão e Rivaldo

Publicado em

A Polícia Federal (PF) cumpriu dois mandados de prisão nesta quinta-feira (9/5) contra Robson Calixto da Fonseca, conhecido como Peixe, que é assessor de Domingos Brazão, e do policial militar Ronald Alves de Paula, conhecido como Major Ronald, apontado como ex-chefe da milícia da Muzema, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Os dois são acusados de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018. Calixto da Fonseca foi preso pela Polícia Federal do Rio, enquanto Ronald cumpre pena em presídio federal. As prisões foram pedidas pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

No documento de denúncia dos três suspeitos que estão presos desde o fim de março, por supostamente mandarem matar Marielle Franco — os irmãos Domingos e Chiquinho Brazão e o ex-chefe da Polícia Civil do Rio Rivaldo Barbosa —, foram incluídos os outros dois nomes. Peixe, denunciado por organização criminosa, e Ronald, por participação no homicídio da vereadora.

Após a investigação da PF, a PGR concluiu que os irmãos Brazão e Barbosa devem ser processados e condenados pelo duplo assassinato.

No documento entregue no fim da tarde dessa terça-feira (7/5) ao gabinete do ministro Alexandre de Moraes, a PGR denuncia os irmãos Brazão como mandantes do homicídio e por integrarem uma organização criminosa. O delegado foi denunciado como mandante também do homicídio.

Denúncia da PGR

A PGR entendeu que, pelos intermediários que participaram do crime e pelas circunstâncias, mais a narrativa do colaborador, o matador confesso Ronie Lessa se encontrou com os irmãos Brazão. O órgão afirma, ainda, que o ex-PM recebeu dos irmãos a promessa de pagamento pelo assassinato da vereadora.

A denúncia do órgão considera provas decorrentes de dados de movimentação de veículos, monitoramento de telefones, triangulação de sinais de telefonia, além de oitivas de dezenas de testemunhas. Conforme o órgão, o contexto da execução da vereadora estaria 100% inserido na obsessão da exploração imobiliária em áreas dominadas pela milícia e de interesse dos irmãos Brazão.

A denúncia aprofunda os interesses econômicos fundiários dos irmãos, as relações deles com as milícias e os atritos com adversários políticos, como a vereadora Marielle e o partido dela, o PSol.

Propaganda
Advertisement