Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍCIA

Delegacia desmente nota do Iapen e diz que detento morto apresentava lesão na cabeça; preso era testemunha de chacina

Publicado em

Uma nota pública do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) foi enviada para a imprensa local falando sobre a morte do detento Oceu Rocha Martins, de 41 anos, na madrugada desta quarta-feira (29), no Presídio de Segurança Máxima Antônio Amaro Alves, em Rio Branco.

A nota informava inicialmente que “um detento que dividia a cela com Oceu relatou que, quando acordou, deparou-se com o colega caído no chão, desacordado, e chamou um policial.”

Em outro trecho da nota, o Iapen informou que “o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para prestar socorro ao detento, mas só pode atestar o óbito. Não foram encontrados sinais de violência no preso. O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado e o Iapen aguarda o laudo pericial.”

Continua depois da publicidade

No entanto, em entrevista na manhã desta quarta-feira, o delegado Cristiano Bastos, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que acompanhou a perícia criminal, afirmou que havia sim marca de lesão frontal e na lateral na cabeça. Com essa afirmativa, o crime deixa de ser morte natural, como informou o Iapen, e passa a ser investigado como um homicídio, ou uma possível “queima de arquivo”, tendo em vista que Oceu foi testemunha da chacina no presídio Antônio Amaro.

O detento estava com outro preso na cela, identificado como André Saldanha, ficou calado ao ser interrogado pela polícia ao ser encaminhado para a Delegacia de Flagrantes (Defla), onde será lavrado o flagrante e ficará novamente à disposição da justiça.

Propaganda
Advertisement