Search
Close this search box.
RIO BRANCO
Search
Close this search box.

POLÍCIA

GCMs agridem homem em situação de rua já algemado com chutes e pisões em SP

Publicado em

Um homem em situação de rua foi agredido com chutes, pisões e socos por vários guardas municipais no Centro de São Paulo, durante a manhã deste sábado, 6. A vítima teria reagido à abordagem e chegou a apanhar já algemado. A informação é da TV Globo.

O caso ocorreu sob o viaduto leste-oeste, entre a Avenida Professor Passoas e a Rua Almirante Mauriti. Agentes da Guarda Civil Municipal (GCM) da capital realizava uma operação de limpeza de ruas na região central, quando abordou o rapaz, que teria reagido, e logo passou a apanhar.

“Batendo ali, ó. Batendo no cidadão. Tá vendo? É o jeito que os GCMs tratam”, diz a pessoa que grava o vídeo.

Continua depois da publicidade

De acordo com a TV Globo, três guardas abordaram o homem, e um deles usa uma das mãos para segurá-lo e, com a outra, segura uma arma. A vítima resiste, mas é jogada ao chão. Mesmo caído e cercado pelos agentes, leva um chute.  O mesmo GCM que chuta, passa a socar o homem. Uma outra guarda usa um cacetete para bater no homem, que continua resistindo.

Seis guardas o seguram, e novamente, o jogam no chão e pisam nele. Neste momento, quem estava no local pede para que a guarda pare com as agressões. “O cara não está reagindo, não, chará”, pede uma pessoa.

Em seguida, um dos guardas aponta a arma em direção às pessoas que filmavam a cena. No local também havia crianças, conforme a reportagem. Quatro policiais militares acompanham tudo. Depois, os PMs se juntam aos guardas e expulsam as pessoas que estavam próximas.

Quando a viatura da GCM chega, o homem volta a ser agredido, mesmo já algemado.  Depois, ele é jogado dentro do carro da guarda.

Naquela região, quem vive nas ruas faz feiras para vender produtos e montam barracas para passar a noite. Moradores relataram à TV que nos últimos dias, a GCM tem feito uma espécie de blitz para recolher o que é vendido nesta feira. Inclusive, foi isso que teria causado a confusão deste sábado.

“Ali na quadra, bastante barracas, tem família, tem crianças lá também. A gente passa por muitas coisas ali. Os policiais querem abusar de nós , porque ali tem coisas que acontecem de errado, mas tem gente que é inocente e paga pelo erro dos outros. Eles tomam a barraca, nesse frio, a gente fica dormindo nesse frio”, disse a mulher em condições de rua, Alines dos Santos.

Continua depois da publicidade

Na última semana, a juíza Tribunal de Justiça de São Paulo, Gilsa Elena Rios, vetou a GCM de atuar como a Polícia Militar em operações na região central e também de usar bombas de gás e balas de borracha contra os usuários de drogas que frequentam ali.

O Terra pediu esclarecimentos à Prefeitura de São Paulo e também à Secretaria de Segurança Pública (SSP), mas até o momento, não teve retorno.

À TV, a prefeitura afirmou que a GCM vai apurar os fatos e poderá aplicar medidas disciplinares depois dos resultados dessa apuração. Já a SSP disse que os PMs que aparecem no vídeo não participaram efetivamente na ação.

 

Propaganda
Advertisement