Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍCIA

Homem detido com fuzil no Lago Sul é filho de falso advogado

Publicado em

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) deteve, na QI 19 do Lago Sul, um homem com fuzil e munições, flagrado por volta das 19h dessa quarta-feira (22/5). A coluna Na Mira apurou que o suspeito se trata do filho do falso advogado Ruy Rodrigues (foto em destaque), Ruy Rodrigues Neto. O pai do detido possui uma extensa lista de vítimas pelo Distrito Federal e “presidente” do Banco Agro, uma instituição financeira ilegítima criada para enganar clientes que acreditavam fazer bons negócios.

Segundo Ruy, ele estaria auxiliando amigos com uma mudança e, no caminhão, a PMDF encontrou um fuzil T4 calibre 5.56mm e 875 munições intactas, de calibres diversos: 25 de calibre 12; 750 cartuchos 9mm; e 100 cartuchos 5.56. O filho do falso advogado levado para a 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul).

Falso advogado enganou empresários, fazendeiros e até ex-secretário

Continua depois da publicidade

Além das armas e munições, havia no veículo itens como cadeiras, mesa, além de um cofre, onde estava o fuzil.

Quando encontraram o fuzil dentro do cofre, os policiais questionaram o suspeito sobre os documentos de registro da arma. Segundo a ocorrência, Ruy Neto informou que não tinha conhecimento sobre o paradeiro dos documentos. Já na delegacia, um advogado apresentou o registro de Caçador, Atirador e Colecionador (CAC) do falso advogado – pai do homem detido. Porém, em momento algum foi apresentado o Guia de Tráfego da arma em questão.

Processos anteriores

Há um mês, o Metrópoles revelou que o pai de Ruy, que compartilha o nome com o filho, estava por trás do Banco Agro. Com sede na Asa Sul, a instituição financeira ainda tinha três filiais pelo país.

Muito antes disso, Ruy já respondia a processos e era investigado por estelionato, devido a golpes aplicados por meio de outras empresas. Com promessas de retornos financeiros em investimentos, clientes confiaram carros, casas e até fazendas para ter lucros com o Banco Agro, mas acabaram afundadas em dívidas.

De lábia afiada, Ruy teria arrancado dinheiro de empresários, fazendeiros, servidores públicos e fez até um secretário do Governo do Distrito Federal (GDF) gravar um vídeo em que parabenizava as iniciativas do banco.

As falcatruas da instituição financeira vieram à tona após uma reportagem do UOL sobre o tema, que detalhou o modus operandi do suposto estelionatário. Na capital do país, Ruy respondia a ao menos 13 processos, inclusive decorrentes de inquéritos da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por estelionato.

Continua depois da publicidade

Ele costumava se apresentar às vítimas como advogado, mas não tinha cadastro junto à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e também se tornou investigado por exercício ilegal da profissão.

À época das publicações, a reportagem tentou contato com Ruy pelos telefones disponíveis no boletim de ocorrência, por e-mail que constavam em processos e pelo celular do advogado dele – disponível no site da OAB –, mas não teve resposta.

A coluna também questionou o Banco Agro, mas não teve retorno. Contudo, em 18 de abril, a instituição publicou uma nota em que informou não se tratar de uma empresa falsa e negou haver qualquer tipo de ingerência na administração.

Propaganda
Advertisement