Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍCIA

Justiça nega habeas corpus e acusado por morte de jovem em acidente no Acre será julgado por homicídio doloso

Publicado em

No dia 24 de setembro do ano passado, a motociclista Sara dos Santos Moura, de 24 anos, perdeu a vida após ser atingida por uma caminhonete boiadeira na BR-364, entre os municípios do Bujari e Rio Branco, no interior do Acre. O condutor, identificado como Gilberto Martins, não prestou socorro à vítima e fugiu por uma área mata, abandonado a caminhonete.

Saiba mais: Caminhonete invade pista contrária, atropela e mata jovem em moto em rodovia no Bujari 

Após cerca de dois meses do acidente, Gilberto Martins foi preso preventivamente, no dia 1º de novembro do ano passado. Na última terça-feira, 9, uma audiência realizada no Fórum do Bujari determinou a manutenção da prisão do acusado, negando o pedido de habeas corpus.

Continua depois da publicidade

Além disso, as conclusões do inquérito policial foram apresentadas, apontando as circunstâncias em que o acidente ocorreu. No acidente, Sara foi violentamente atingida e arrastada por mais de 20 metros pela caminhonete.

De acordo com Felipe, irmão da Sara, o Juiz entendeu que Gilberto Martins deve permanecer preso e vai responder por homicídio doloso, aquele que há intenção de matar.

“A perícia da Polícia Rodoviária Federal e a investigação da Polícia Civil mostraram que ele pegou minha irmã na contramão e em alta velocidade. Não tinha nem marca de frenagem, ou seja, ele saiu arrastando ela por 21 metros. Um crime”, relatou Felipe.

Ele disse ainda que seus pais sofrem muito com a perda da irmã, pois eram só eles dois de filhos. “A Sara tinha sonhos e correu atrás deles. Poucos dias depois que ela morreu, saiu a nomeação dela do concurso, uma tristeza. E meu sobrinho, apenas uma criança que tão cedo perdeu a mãe. Meu pai ficou deprimido e sofre muito ainda hoje. Esperamos que a justiça seja realmente feita”, concluiu.

Leia também: Presidente da OAB lamenta morte de jovem atropelada na BR-364: “Tomaria posse em um concurso público neste mês”

Ainda de acordo com informações da família, Gilberto, além de permanecer preso até o julgamento, deverá ir a júri popular. Ele já teria atropelado outra pessoa e é conhecido por beber e dirigir perigosamente naquela região.

Continua depois da publicidade
Propaganda
Advertisement