Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍCIA

Manaus: Vizinha é presa por abuso infantil e levanta questões sobre a segurança das crianças

Publicado em

Choque e indignação tomaram conta de Manaus nesta quinta-feira (2), quando uma mulher de 47 anos foi presa sob a suspeita de abusar sexualmente de um menino de apenas 8 anos. A prisão ocorreu durante a Operação Caminhos Seguros, conduzida pela Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA). O que torna esse caso ainda mais grave é o fato de que a mulher era vizinha da criança e ocasionalmente cuidava dela, a pedido da mãe.

A delegada Joyce Coelho, titular da DEPCA, aproveitou a oportunidade para destacar alguns pontos importantes que devem ser seguidos por pais e responsáveis. Primeiramente, é crucial entender que qualquer pessoa pode ser um potencial abusador, independentemente de gênero. Os “monstros” que muitas vezes imaginamos não existem na vida real, e essa visão distorcida pode confundir as crianças. Os abusadores são pessoas reais, e, na maioria dos casos, são indivíduos em quem confiamos. É justamente essa confiança que facilita o abuso, pois se aproveita de uma relação de poder em que o adulto se sobrepõe à inocência da criança. É importante ressaltar que a criança NUNCA é culpada por esse crime hediondo.

Além disso, é fundamental compreender que tanto meninas quanto meninos podem ser vítimas de abuso. No entanto, infelizmente, a sociedade tende a enxergar o abuso contra meninos como uma estimulação sexual precoce que os transforma em “machos”, sem entender que uma das causas para o elevado número de casos de abuso é o machismo arraigado na sociedade. Meninos também são abusados, mas muitas vezes não denunciam por medo de terem sua sexualidade questionada. É importante observar que os casos de abuso envolvendo meninas causam um impacto maior na sociedade, enquanto os casos envolvendo meninos são menos discutidos.

Continua depois da publicidade

Devemos ter em mente que o abuso sexual nem sempre é fisicamente doloroso, pelo contrário. Alguns estímulos podem gerar sensações de prazer que a criança ainda não entende, mas as consequências para ela são igualmente devastadoras e requerem acompanhamento especializado. Neste caso específico, o menino relatou à mãe que a vizinha estava “com inxirimento” e que o que ela fazia era “gostoso”. É alarmante pensar que uma criança de apenas 8 anos possa ter essa confusão em sua mente, acreditando que tal comportamento seja permitido, natural e aceito.

Propaganda
Advertisement