Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍCIA

Polícia Federal reforça ações de combate ao tráfico na fronteira de Rondônia com a Bolívia

Publicado em

A Polícia Federal (PF) está intensificando as medidas de segurança ao longo da fronteira entre Rondônia e a Bolívia, uma das principais rotas utilizadas para o tráfico de drogas com destino ao Brasil.

Como parte dessas ações, está previsto o envio de um novo barco do Paraná para a Superintendência da PF em Rondônia, destinado ao Grupo Especial de Polícia Marítima (Gepom), que mantém uma base em Guajará-Mirim, às margens do Rio Mamoré.

O Gepom, composto por agentes federais, desempenha um papel crucial na repressão aos crimes transfronteiriços entre Brasil e Bolívia, incluindo delitos ambientais, contrabando, tráfico de pessoas, além de realizar operações de fiscalização portuária e oferecer suporte institucional a órgãos de segurança pública.

Continua depois da publicidade

Os barcos na região desempenham um papel fundamental nas atividades de investigação e fiscalização do rio, que serve como rota para o crime organizado ao cortar os dois países.

Recentemente, uma embarcação brasileira foi “sequestrada” por cidadãos bolivianos na fronteira de Rondônia. O barco havia sido ilegalmente apreendido por populares, mas com o apoio da Marinha do Brasil, após quatro dias de negociações, a embarcação foi devolvida pela Armada Boliviana em águas brasileiras e escoltada até o Porto Alfandegado brasileiro, onde foi entregue à empresa proprietária.

Após esse incidente, a travessia fluvial entre Brasil e Bolívia foi temporariamente interrompida, mas agora foi restabelecida e o fluxo internacional de pessoas voltou ao normal.

Segundo informações da PF, a retenção ilegal da embarcação brasileira por populares bolivianos foi uma retaliação a uma ação policial. Durante um patrulhamento fluvial no Rio Mamoré, a PF interceptou e apreendeu uma pequena embarcação boliviana que havia sido abandonada pelos tripulantes na margem brasileira do rio. A embarcação e os produtos supostamente contrabandeados foram entregues à Receita Federal do Brasil (RFB), que realizou a apreensão administrativa.

Propaganda
Advertisement