Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍCIA

Saiba quem é a médica que deu tombo de R$ 1 milhão em amiga e sumiu

Publicado em

Há quatro anos, uma empresária tenta recuperar R$ 1 milhão, após cair em um golpe aplicado por uma “amiga”. A médica Lorene Laiane Ferreira da Silva, 33 anos, pegou dinheiro emprestado com a vítima ao longo de seis anos e sempre quitou as notas promissórias. No entanto, após colocar as mãos no dinheiro, a profissional da área de saúde desapareceu.

A suspeita é que a ex-amiga da empresária tenha gastado quase todo o dinheiro com viagens e procedimentos estéticos e cirúrgicos. No Instagram, a médica costuma postar fotos e vídeos de viagens. A Polícia Civil do DF (PCDF) investiga o caso após a vítima ter registrado ocorrência.

De acordo com a apuração conduzida pela 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), a empresária conheceu Lorene no final de 2013, quando a suspeita ainda cursava medicina. No ano seguinte, a mulher disse a então amiga que precisava de dinheiro emprestado. A partir daquele momento, a médica começou a pegar quantias diversas, sempre quitando as dívidas rapidamente e dentro do prazo.

Continua depois da publicidade

A partir de 2018, de acordo com o termo de declaração da empresária, a médica passou a tomar quantias maiores e chegou a abrir uma loja de roupas e uma clínica médica, além de comprar uma ambulância. De acordo com a empresária, algumas quantias em espécie chegaram a ser entregues para a médica em sua clínica. Porém, os valores mais altos eram entregues pessoalmente pela empresária na casa da médica, na Asa Sul.

Golpe e sumiço

Sempre quando recebia alguma quantia emprestada, a médica assinava notas promissórias e as entregava à amiga. No entanto, em 2020, após ficar viúva, a empresária procurou a médica pedindo que ela quitasse todas as dívidas que estavam pendentes. Naquele momento, sem correções, o valor estava em R$ 837.480 mil.

Após a cobrança, a médica suspendeu todos os pagamentos e bloqueou a empresária no WhatsApp e em todas as redes sociais e meio de comunicação. Atualmente, os valores corrigidos alcançam a cifra de R$ 1 milhão.

A coluna tentou entrar em contato com a médica por meio dos telefones que constam na ocorrência. No entanto, ela não respondeu aos questionamentos. O espaço permanece aberto para manifestações.

Propaganda
Advertisement