Search
Close this search box.
RIO BRANCO
Search
Close this search box.

POLÍTICA

Ação judicial resulta na inelegibilidade de Antônia Lúcia por 10 anos

Publicado em

Uma decisão da juíza Federal Luzia Farias da Silva Mendonça determinou a inelegibilidade da deputada federal Antônia Lúcia, do partido Republicano, por um período de 10 anos. A sentença foi proferida devido ao uso indevido de recursos públicos federais para remunerar Madson Paula Barbosa por serviços particulares na empresa Rádio e Televisão Boas Novas, enquanto Antônia exercia seu cargo na Câmara dos Deputados.

Madson Paula Barbosa afirmou em depoimento não ter prestado serviços à Câmara dos Deputados, o que levou à conclusão de ato de improbidade administrativa por parte de Antônia Lúcia. A condenação inclui a suspensão dos direitos políticos, o pagamento de multa civil correspondente à remuneração recebida por Madson durante sua vinculação com a Câmara e a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios fiscais por 10 anos.

Além disso, a decisão também atinge Milena Ramos Câmara Godoy, filha de Antônia Lúcia e sócia-administradora da Rádio e TV Boas Novas.

Continua depois da publicidade

Diante desses acontecimentos, Antônia Lúcia emitiu uma nota de esclarecimento sobre o assunto. Veja abaixo.

Leia a nota de Esclarecimento

Gostaria de esclarecer alguns pontos importantes sobre um processo que tem sido alvo de especulações na mídia. Este processo envolve a demissão de um funcionário que, durante seu período de trabalho, cometeu erros graves, causando prejuízos imensuráveis ao meu mandato à época. Insatisfeito com a demissão, que é um direito legítimo do parlamentar, este indivíduo resolveu propagar calúnias com o intuito de me prejudicar.

O parecer técnico e a manifestação do Ministério Público Federal, emitidos em 20/06/2024, determinaram o arquivamento do caso, considerando as provas apresentadas nulas e incapazes de comprovar a veracidade das alegações. Isso reforça nossa posição de que as acusações são infundadas e caluniosas.

O processo judicial tramitou repleto de vícios e equívocos,b os quais serão sanados com os recursos apropriados, devidamente instruídos por meus advogados. Acreditamos na justiça e estamos confiantes de que as devidas correções serão feitas.

Caso fosse verdade, dá para notar a clara perseguição política, especialmente pela condenação injusta. A condenação proferida foi equivocada e injusta, baseada em provas insuficientes que não consideraram todos os aspectos envolvidos. Vale ressaltar que o funcionário comissionado também exerceu o cargo e recebeu dinheiro público, devendo, portanto, ser responsabilizado igualmente. Ele deve ressarcir os recursos e ter seus direitos cassados, incluindo a proibição de contratar com a administração pública e exercer cargos públicos.

Continua depois da publicidade

Esclareço aos meus irmãos e amigos acreanos que as leis não se encerram na terra acreana. A verdade prevalecerá, e estou confiante de que a justiça será feita, trazendo à luz os verdadeiros fatos deste caso. Agradeço a compreensão de todos e continuarei trabalhando com dedicação e transparência em prol da sociedade.

Propaganda
Advertisement