Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍTICA

Conselho de Ética da Câmara instaura processo contra Chiquinho Brazão

Publicado em

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados instaurou, nesta quarta-feira (10/4), processo de cassação do mandato de Chiquinho Brazão (sem partido-RJ). O parlamentar foi preso em março deste ano, acusado de mandar matar a vereadora Marielle Franco em 2018, no Rio de Janeiro.

A instauração do processo foi oficializada com o sorteio de deputados para compor lista tríplice para a relatoria do caso. Os três nomes são: Bruno Ganem (Podemos-SP), Ricardo Ayres (Republicanos-RO) e Gabriel Mota. (Republicanos-RR).

O regimento interno da Câmara prevê que o relator não pode ser do mesmo partido, estado ou bloco parlamentar do alvo da representação.

Continua depois da publicidade

Chiquinho Brazão foi expulso do União Brasil no fim de março, após a prisão. No entanto, o presidente do Conselho de Ética, Leur Lomanto (União-BA), decidiu excluir os parlamentares do União do sorteio. O processo contra Chiquinho Brazão foi apresentado ao Conselho de Ética pelo PSol.

Agora, caberá a Leur Lomanto definir um dos nomes da lista tríplice para ficar responsável pela relatoria do caso. Após a escolha, o relator deverá apresentar, em 10 dias úteis, um parecer para recomendar o arquivamento ou a continuidade das investigações.

Se o parecer pela continuidade for aprovado, o conselho decidirá se cassa ou não o mandato de Brazão. Além da cassação, mais medidas podem ser estipuladas, como censura verbal ou escrita e suspensão de exercício por até seis meses. Todas as decisões tomadas pelo conselho devem ser referendadas pelo plenário da Câmara.

Propaganda
Advertisement