Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍTICA

Ex-prefeito envolvido com o Comando Vermelho fugiu para Brasília

Publicado em

Alvo da Operação Rota do Rio, deflagrada nessa terça-feira (21/5) pelas polícias civis do Rio de Janeiro e do Amazonas, o ex-prefeito de Anamã (AM) Raimundo Pinheiro da Silva (foto em destaque), conhecido como Chicó, fugiu para Brasília horas antes da execução do mandado de busca e apreensão, segundo a polícia.

A suspeita é que o investigado tenha recebido informações privilegiadas sobre a investida das forças de segurança.

No total, os investigadores cumpriram 113 mandados de busca e apreensão em Rio de Janeiro, Minas Gerais, Amazonas e Pará. A operação tem como objetivo desarticular um braço da facção carioca Comando Vermelho que transportava drogas da fronteira de Brasil, Colômbia e Peru para o Rio de Janeiro.

Continua depois da publicidade

Investigações apontam que Chicó usou um frigorífico no Amazonas para a lavagem de dinheiro da facção. Durante a busca em sua residência, foram encontrados dinheiro e dois veículos.

Rota do Rio

Os investigados são pessoas físicas e jurídicas identificadas como integrantes ou associados a um dos “braços operacionais e financeiros” do Comando Vermelho.

Alguns dos mandados foram cumpridos em locais como interior das comunidades cariocas Fallet, Fogueteiro, além de endereços nobres da cidade: Ipanema, Arpoador, Copacabana, Barra da Tijuca, Catete, Recreio; e em outras cidades fluminenses, como Cabo Frio e Búzios.

Ao todo, quatro pessoas foram presas, incluindo o líder do tráfico do Fallet e Fogueteiro, em cumprimento a cinco mandados de prisão, além de outros três alvos detidos em flagrante. Mais de R$ 500 mil em drogas foram apreendidos.

As investigações, que contaram com o apoio do Comitê de Inteligência Financeira e Recuperação de Ativos (Cifra), apontam que a rota utilizada para o escoamento da droga vinda do Amazonas até o Rio de Janeiro serve, em sentido contrário, para o fluxo de dinheiro do comprador atacadista para o seu fornecedor, evidenciando o grande esquema de fornecimento e pagamento da droga vendida tanto no morro quanto no asfalto.

“Para escamotear a origem ilícita dos recursos oriundos da compra e venda de drogas, essa organização criminosa realiza pagamentos de forma pulverizada a diversas pessoas interpostas. Entre elas, um frigorífico no Amazonas, pertencente a um ex-prefeito de um município daquele estado, que teve o mandato cassado por abuso de poder econômico”, disse a Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Continua depois da publicidade

As investigações financeiras apuraram que, em um período de dois anos, a organização movimentou aproximadamente R$ 30 milhões em recursos ilícitos.

A operação teve como objetivo angariar elementos de prova, o confisco de bens móveis e imóveis relacionados às atividades de tráfico.

Propaganda
Advertisement