Search
Close this search box.
RIO BRANCO

POLÍTICA

Secretário de Educação nega perseguição e anuncia novo processo administrativo

Publicado em

Em meio a polêmicas envolvendo o afastamento da ex-diretora Ada Cristina, da Escola Estadual Jornalista Armando Nogueira, o secretário estadual de educação, Aberson Carvalho, lançou uma nota de esclarecimento para abordar o caso. Na nota, Carvalho nega qualquer perseguição à ex-diretora e reforça que o afastamento não ocorreu devido ao vídeo publicado, mas sim como resultado de um processo administrativo que revelou falhas no cumprimento de suas responsabilidades.

O cerne da questão está relacionado à gestão e verificação da qualidade dos alimentos que chegam às escolas. Segundo Carvalho, essa tarefa é da responsabilidade da equipe gestora, e a ex-diretora foi afastada por não cumprir adequadamente essas obrigações inerentes ao cargo.

No comunicado, o secretário também anuncia a abertura de um novo procedimento administrativo para apurar a qualidade da carne fornecida à escola. Isso evidencia o compromisso da Secretaria Estadual de Educação em assegurar a qualidade dos alimentos oferecidos aos estudantes, buscando garantir sua saúde e bem-estar.

Continua depois da publicidade

É importante ressaltar que a nota de esclarecimento tem o intuito de trazer transparência ao caso e esclarecer os motivos por trás do afastamento da ex-diretora. Cabe agora ao novo processo administrativo conduzir uma investigação minuciosa sobre a qualidade da carne fornecida à escola.

Veja o comunicado na íntegra:

A Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes (SEE), a respeito da qualidade da carne fornecida aos alunos da escola de ensino integral Armando Nogueira, vem esclarecer que:

A responsabilidade do recebimento da carne e da verificação da qualidade é da gestão da escola. Os gestores é que são responsáveis, no contrato, pelo recebimento do produto.

À Secretaria de Educação cabe licitar, indicando as especificações, priorizando sempre a qualidade do alimento que deseja receber, e paga pelo produto que solicitou.

Assim sendo, se está chegando outro tipo de carne que não o licitado pela SEE, cabe à equipe gestora informar e, inclusive, não receber o produto, comunicando o fato ao Departamento de Alimentação Escolar da Secretaria.

Continua depois da publicidade

A SEE não tem como saber da qualidade da carne que está chegando à escola, a não ser que seja informada pelo gestor. Ao tomar conhecimento, o órgão tem condições de notificar o fornecedor e exigir que seja cumprido o que foi contratado.

Esclarece ainda que não é por conta de “denúncias” que tenha feito em relação à qualidade da carne que a gestora em questão está sendo afastada do cargo, mas, é por conta do não cumprimento dessas e de outras responsabilidades inerentes ao cargo que qualquer gestor poderá ser afastado ou responder, inclusive, processos administrativos.

Por fim, a SEE informa que será aberto processo administrativo interno para apurar a denúncia em relação a qualidade da carne fornecida à escola e reafirma o compromisso com a qualidade do ensino, compromisso em fornecer uma alimentação da melhor qualidade a todos os nossos estudantes e reafirma ainda o compromisso e respeito com a transparência em todos os processos que envolvem a Educação.

Aberson Carvalho

Secretário de Estado de Educação, Cultura e Esportes

Propaganda
Advertisement