Search
Close this search box.
RIO BRANCO
Search
Close this search box.

POLÍTICA

STF referenda impedimento de Zanin para julgar recurso de Bolsonaro

Publicado em

Os ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) referendaram o impedimento do ministro Cristiano Zanin para julgar recurso do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) contra decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o declarou inelegível.

Acompanharam o entendimento os ministros Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Flávio Dino e Cármen Lúcia. No despacho publicado nessa terça (7/5), Zanin cita razão relacionada à sua atuação como advogado para ter tomado a decisão.

Zanin justificou que, em período anterior à nomeação como ministro da Suprema Corte, subscreveu, ainda como advogado da coligação de Lula (PT), uma representação que deu origem a uma ação de investigação judicial eleitoral semelhante à que resultou na inelegibilidade de Bolsonaro.

Continua depois da publicidade

“A fim de imprimir a necessária economia processual e evitar uma futura redistribuição do feito, parece-me, a despeito da manifestação da PGR, ser o caso de acolher os fundamentos apresentados no incidente suscitado pelo recorrente para a declarar o meu impedimento para julgar o presente recurso extraordinário com agravo”, afirmou o ministro. “O impedimento, nesta hipótese, refere-se apenas e tão somente ao presente recurso”, completou Zanin.

Em voto separado, o ministro Alexandre de Moraes indicou que, se Zanin continuasse na relatoria do caso, provavelmente teria a si distribuído um eventual recurso da ação da qual foi advogado. “Prefigurando-se a declaração de impedimento na referida demanda, consequentemente seria preciso afirmá-lo também nestes autos”, destacou.

A defesa do ex-presidente havia pedido que Zanin se declare impedido ou suspeito para ser o relator e participar do julgamento. No recurso, a defesa de Bolsonaro tenta reverter a inelegibilidade, declarada pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Abuso de poder

Bolsonaro foi declarado inelegível por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação durante reunião com embaixadores realizada no Palácio da Alvorada, em 18 de julho de 2022. O julgamento foi encerrado em 30 de junho, com o anúncio do resultado pelo presidente do TSE, o ministro Alexandre de Moraes.

O sorteio que escolheu Zanin como relator do recurso de Bolsonaro no STF excluiu os ministros Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia e Nunes Marques. Os magistrados não participaram pois integram o TSE e já possuem um posicionamento sobre o caso.

Propaganda
Advertisement