RIO BRANCO

POLÍTICA

União Brasil dá prazo até abril para Moro se mostrar candidato viável

Publicado em

POLÍTICA

Sergio Moro se filiou ao Podemos e se colocou como pré-candidato à Presidência da República

As investidas do ex-juiz Sergio Moro, pré-candidato do Podemos à Presidência da República, sobre o União Brasil (fusão de DEM e PSL) têm encontrado resistência entre importantes lideranças do futuro partido.

Isso porque há um temor de que a presença do ex-juiz, ou mesmo a formação de uma aliança formal com o Podemos em torno da candidatura nacional, possa prejudicar as duas prioridades da nova legenda: eleger a maior bancada no Congresso Nacional e o maior número de governadores.

Dirigentes da sigla dão até abril para Moro se apresentar viável como candidato, ou seja, conseguir os esperados dois dígitos prometidos no lançamento de sua candidatura, e que, até o momento, não foram atingidos nas pesquisas de intenção de voto.

Continua depois da publicidade

Até lá, de acordo com dirigentes do partido, o foco é trabalhar os palanques locais e, caso a candidatura do ex-juiz cresça, ser avaliada, mas de forma não prioritária, ou seja, sem interferência nos arranjos estaduais.

A última pesquisa Datafolha, realizada de 13 a 16 de dezembro, mostrou o ex-ministro do governo Bolsonaro com 9% das intenções de voto. O atual chefe do Executivo federal atingiu 22%, enquanto o ex-presidente Luiz Inácio da Lula (PT) liderou as intenções de voto, com 48%.

Leia Também:  Salário-maternidade para grávidas que não podem fazer teletrabalho vai a Plenário

Dirigentes do União Brasil ainda se mostram céticos quanto à ida de Moro para o novo partido, possibilidade que chegou a ser cogitada pelo ex-juiz, depois de encontrar resistências dentro de parte da bancada do Podemos, interessada nos recursos do fundo partidário para suas candidaturas.

Continua depois da publicidade

Moro tem tratado sobre sua possível migração para o União Brasil diretamente com o futuro presidente da sigla, Luciano Bivar (PE), a quem já sinalizou a necessidade de estar em um partido com mais verbas para sustentar uma campanha presidencial.

“Eu acredito mais na permanência dele no Podemos”, diz o deputado Efraim Filho (DEM-PB), que integra a executiva nacional da nova legenda e que deverá ser candidato ao Senado.

“Primeiro é a bancada no Congresso, Câmara e Senado. Esse é o foco. É preciso organizar a bancada durante a janela partidária, tentar trazer o maior número de quadros, pensando em sair das urnas com a maior bancada no Congresso”, ressaltou.

“Por fim vem a cena nacional. É prematuro definir agora alguma aliança. Só após a janela partidária [prazo da Justiça Eleitoral para a troca de legenda] é que a gente terá condição de fazer essa avaliação de apoio ou não a Moro”, ressaltou.

Propaganda
Propaganda

POLÍCIA

POLÍTICA