RIO BRANCO

RIO BRANCO

Professores da Ufac realizaram ato de mobilização de greve nesta quarta-feira

Publicado em

RIO BRANCO

Em frente à Ufac, professores realizaram um ato de mobilização de greve nesta terça. Foto: Ascom/AdUfac

Com objetivo de esclarecer à comunidade universitária e à população em geral sobre a pauta unificada dos servidores públicos federais e pressionar o governo federal em busca de melhorias, a Associação dos Docentes da Universidade Federal do Acre (AdUfac), realizou na manhã desta quarta-feira (23) um ato de mobilização de greve.

Segundo uma publicação na página oficial da AdUfac, os docentes buscam reajuste emergencial de 19,99%, revogação da Emenda Constitucional 95, derrubada da Proposta de Emenda à Constituição 32 e melhores condições de trabalho.

Docentes pedem por reajuste emergencial de 19,99%. Foto: Ascom/AdUfac

“A maior parte das trabalhadoras e trabalhadores do serviço público federal está sem reajuste salarial desde o ano 2017 e amarga perdas salariais desde 2011, acumulando uma defasagem nos salários de cerca de 49,28%. Entendendo a gravidade do nível salarial, o conjunto dos servidores públicos federais estabeleceu uma reivindicação emergencial conjunta de 19,99%, referente apenas à inflação acumulada durante os três anos de governo de Jair Bolsonaro, conforme o Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA/IBGE)”, diz um trecho da publicação.

Continua depois da publicidade
Leia Também:  Sine Acre disponibiliza 18 vagas de emprego para Rio Branco nesta sexta; confira oportunidades

Com relação à Emenda Constitucional do Teto dos Gastos (EC 95), a AdUfac luta contra pois, segundo a publicação, o fato de impedir o aumento de gastos em um orçamento que inclui diversos pagamentos como servidores (ativos, inativos e pensionistas) até as atividades de ensino, pesquisa e extensão, financiamento de bolsas e auxílios estudantis, como também manutenção do espaço e restaurante universitário.

Cerca de 20 docentes participaram do ato de mobilização de greve em frente à Ufac. Foto: Ascom/AdUfac

“Com as progressões funcionais de carreira e contratação de servidores, a cada ano temos redução de recursos em manutenção, assistência estudantil e ensino, pesquisa e extensão. Se não for revogada, a EC95 impactará fortemente no funcionamento das universidades por todo país”, diz outro trecho da publicação.

O ato de Mobilização de Greve teve apoio do Movimento por uma Universidade Popular (MUP) e Sindicato dos trabalhadores em educação do 3º grau (Sintest). Cerca de 20 docentes estavam presentes no ato, desde às 7h, entregando panfletos para explicar as razões do movimento.

Continua depois da publicidade
Propaganda
Propaganda

POLÍCIA

POLÍTICA